Vereadores de Criciúma aguardam janela partidária

27

Não é só Júlio Kaminski que vai sair de sua sigla, outros nomes cogitam fazer a transição para as eleições 2020

A confirmação da saída de Júlio Kaminski do PSDB para o DEM, mostra a insatisfação de alguns vereadores com os partidos que os elegeram. Outros nomes já cogitam fazer a transição de partidos para as eleições 2020. O meio para a mudança é a janela partidária, que ocorre entre os dias 5 de março e 3 de abril, conforme Calendário Eleitoral definido pela Resolução nº 23.606/2019 no fim de dezembro.

Segundo o art.22-A da Lei dos Partidos Políticos (Lei nº 9.096), para o desligamento de um partido ser feito, o candidato deve apresentar uma justa causa, caso contrário, ele tem seu mandato perdido. Com a reforma Política de 2015, foi acrescentado à lei um período de trinta dias em que as mudanças de partido seriam permitidas. Esta chamada janela partidária deve ocorrer sempre cerca de sete meses antes das eleições e é a oportunidade de os parlamentares fazerem essa transição sem correrem o risco de perder seus mandatos.

O Pastor Jair Alexandre está entre os nomes que já definiram a mudança partidária. Em reunião do partido no fim do ano passado, ele anunciou sua saída oficial do PSC para migrar para o Partido Social Democrático (PSD). Miri Dagostim também está em processo de considerar outros partidos. Recentemente afirmou que pretende deixar o PP, apoiando ainda a pré-candidatura do ex-deputado Jorge Boeira como prefeito. Já o vereador Zairo Casagrande diz estar analisando seis propostas recebidas e em março confirmará sua decisão.

O vereador Julio Colombo chegou a afirmar sua saída do PSB, por conta do conflito de ideias e o afastamento com o líder do partido Henrique Salvaro. Entretanto, com a recente reaproximação, é prevista a permanência de Colombo no partido.

Aldinei Potelecki, eleito vereador pelo PRB, quando disputou a eleição como candidato único da sigla, deve permanecer no partido, mas tem a missão de, em ano que não haverá coligação proporcional, buscar reforço para disputar e fazer índice eleitoral. O vereador, que é pastor da Igreja Universal, tem os fiéis como principais eleitores e tem compromissos pela ligação religiosa.