Mês é dedicado ao diagnóstico precoce do câncer de mama

13

Hoje inicia o movimento mundial Outubro Rosa, secretarias de saúde e entidades organizadas de todos os municípios terão programações especiais

O câncer de mama é um dos desafios no envelhecimento populacional e enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis. As incidências para 2019 no país, conforme dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), são de 59.700 casos novos até o fim do ano.

A mastologista Beatriz Serafim Althoff Rocha lembra que o câncer de mama é uma doença silenciosa, que raramente tem sintomas no início, e explica a importância da mamografia. “A dor muito raramente é associada à doença, por isso a paciente não deve esperar para fazer o exame quando tiver algum sintoma mamário. Ela também não deve deixar de fazer por não haver casos de doença na família, já que a grande maioria não tem componente genético. O exame periódico reduz em 30% a mortalidade”.

Segundo a especialista, o autoexame é uma forma das mulheres conhecerem o seu corpo, porém, o mais importante é a mamografia, já que detecta lesões não palpáveis. “Quando a pessoa chega a sentir o nódulo no autoexame, significa que ele já possui mais de dois centímetros”, alerta.

Relativamente raro antes dos 40 anos, após ultrapassar essa faixa etária, a incidência da doença cresce de forma rápida e progressiva, aponta a radiologista da Cliniimagem, Rafaella Guglielmi Spillere Búrigo. A sociedade Brasileira de Mastologia e o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem recomendam que a mamografia seja realizada anualmente a partir dos 40 anos.

“Em pacientes com mamas densas, os nódulos podem ficar ocultos, não sendo detectados pela mamografia, por isso a importância da associação com a ultrassonografia nestas pacientes. Além desses exames, a ressonância magnética também é um método que pode ser usado como complemento para rastreamento para as mulheres com alto risco”, frisa.

Hoje inicia o movimento mundial Outubro Rosa, secretarias de saúde de todos os municípios terão programações especiais, com visitas, palestras e eventos em praças e locais públicos.

“As ações servem para mostrar o quanto as mulheres são importantes. Atualmente elas estão à frente do mercado de trabalho, em casa e na sociedade, realizando tudo com enorme dedicação, e muitas vezes negligenciando a saúde”, destaca a diretora administrativa da Cliniimagem, Mônica Medeiros.

Em Içara, a programação inicia com a 3º edição da Caminhada da Prevenção, promovida pela Rede Feminina de Combate ao Câncer. A caminhada ocorre hoje, com saída em frente à construção da Casa Rosa, no bairro Primeiro de Maio. A expectativa é reunir aproximadamente 200 pessoas.

A presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Içara, Andreia Cristina Pavei Soares, destaca que o mês de outubro é período de alerta e o momento de intensificar a divulgação para importância da prevenção. “Trabalhamos em função da agilidade do diagnóstico. A mulher precisa se tocar, conhecer seu corpo, sua mama e fazer os exames constantemente após os 40 anos. O câncer de mama tem 95% de chance de cura em caso de descoberta no início”, ressaltou.

O susto e o aprendizado

Dora Lucia de Souza, de 63 anos, moradora do bairro Presidente Vargas, em Içara, descobriu um câncer de mama aos 58 anos. “A notícia veio no dia do meu aniversário, 15 de setembro. Liguei para o meu marido desesperada. Perdi o chão, foi um choque. Fiz mastectomia e quimioterapia, perdi os cabelos e não me olhava no espelho. Minha família foi muito importante neste momento difícil. Aprendi que devemos se colocar em primeiro lugar”.

Marlene de Oliveira Plácido, de 55 anos, está há dois anos sem fazer o exame, mas afirma que ainda este mês realizará. “O Outubro Rosa chega para soar o alerta e lembrar dos exames. Minha mãe morreu com câncer no útero, por falta de prevenção. Viver é a melhor coisa!”

Voluntárias da RFCC

A Rede Feminina de Combate ao Câncer, hoje com voluntárias em todos os municípios, fazem ações de conscientização mais intensas neste mês. “Realizamos trabalho de prevenção o ano todo, mas nesta época intensificamos. Teremos palestras, pedágio, carreata, entre outras atividades”, destaca a presidente da RFCC de Criciúma, Rosa Maria Bernardini de Santos. “Voluntários são bem vindos”, salienta a vice-presidente, Arlete do Nascimento.

A Rede Feminina de Içara, também conta com uma série de atividades, começando hoje com a 3ª Caminhada da Prevenção. Camisetas e lenços assinados pelo artista Caio Borges, ao valor de R$ 30,00 cada um, estão sendo vendidos com o propósito de levantar fundos para a construção da sede da instituição, a Casa Rosa, de 847,61 metros quadrados.