Coluna Anderson de Jesus – 03/03/2021

22

Recurso justificado

A informação de que 500 mil reais podem ser destinados pela Cooperativa para a pavimentação do acesso ao Santuário causou burburinho nas redes sociais. A medida, que ainda precisa passar pelo crivo dos associados, acabou dividindo opiniões. Questionado pela coluna, o presidente Reginaldo de Jesus encaminhou nota, com pontos que já havia defendido também em suas redes sociais: “Quanto a questão dos sócios não serem consultados sobre essa possível doação, é preciso destacar que essa questão em assembleia virtual no dia 18 de março, fica claro que quem decide é o associado. Quanto à influência no valor da tarifa de energia, o valor a ser doado é oriundo do lucro da empresa, dinheiro esse revertido para esses projetos. Quanto a empreiteira que vai fazer a obra, cabe aos responsáveis do Santuário definir. A Cooperaliança, se aprovado, irá repassar o valor para a conta do Santuário, não intervirá na empresa prestadora. Cabe aos responsáveis pelo Santuário definirem melhor preço e empresa”.

Outros investimentos

Dedê também fez questão de frisar outras ações da cooperativa. “A principal questão, saúde: a aquisição de um tomógrafo para o Hospital São Donato, no valor de 168 mil dólares, repito 168 mil dólares, conforme contrato entre hospital e fornecedor, praticamente será paga 100% pela Cooperaliança. O valor de 600 mil reais já foi aprovado em assembleia, e o restante será com parte do lucro do ano de 2021 na assembleia em 2022, conforme acordado com diretores do hospital. Muitos questionaram a doação para o Santuário, mas a diretoria acredita ser essencial para estimular ainda mais o desenvolvimento do nosso município. Vou continuar lutando por maiores doações ao hospital São Donato, não esquecendo também das demais instituições que precisam e do Santuário, que trouxe e ainda vai trazer vários benefícios para a nossa cidade.

As ofensas

Dedê também lamentou as ofensas pessoas postadas em rede social. “Quanto às ofensas à mim dirigidas, fico triste, pois sei do esforço e da dedicação que tenho em busca de resultados cada vez melhores para a concessionária. Não posso dizer que aceito essas críticas com naturalidade, mas faz parte”.

Pandemia x reformas

Deputada federal Geovânia de Sá aposta que nas próximas semanas o presidente da Câmara dos Deputados, Artur Lira, deve fazer caminhar propostas consideradas fundamentais para o desenvolvimento do país. Para a deputada do Sul do Estado, a pandemia não pode ser motivo para travar o debate das reformas, principalmente a tributária. “São assuntos importantes, fundamentais para o Brasil e que não podem esperar. A pandemia esta aí, é algo sério, delicado e que está sendo enfrentado. É possível sim tratar de pandemia e das reformas de maneira paralela. Esperamos que o presidente faça isso. O Brasil precisa disso”, argumentou a deputada, que na segunda-feira fez a entrega de recursos para o Hospital São Donato. “As emendas são importantes porque o deputado está sempre na base. Ele conhece as demandas e esses recursos ajudam a realizar ações importantes para a população como o caso do São Donato, por exemplo”.

Protesto

O novo aumento dos combustíveis fez um grupo de caminhoneiros protestar nesta terça-feira em Minas Gerais. Categoria volta a mostrar insatisfação com a política de preços da Petrobras e sabe que o anuncio do Governo, de zerar temporariamente os tributos federais sobre o diesel, terá pouco efeito no preço. Não creio em nova greve dos caminhoneiros, mas a pressão deve aumentar.

Mais caro

Para tentar equacionar a perda de receita com o “fim” dos tributos federais no diesel, o governo vai aumentar a taxação sobre as instituições financeiras.  O problema é que isso pode deixar o crédito cada vez mais caro e menos acessível a quem precisa.

Novo tombo

Setor de eventos, que passou o ano passado sofrendo por pelo menos 10 meses por conta da pandemia, volta a ser impactado pela nova onda de casos de Covid-19. Decreto em vigor volta a impedir a realização dos eventos sociais e quem depende deles para sobreviver, mais uma vez, tem que rebolar.

Redução

Governo deve reeditar nos próximos dias a Medida Provisória que permite a empresários de todo o Brasil suspender contratos ou reduzir jornada e salário de seus colaboradores. O objetivo é permitir a manutenção de empregos durante esse “rebote” da pandemia de Covid-19. Tendência é que a nova edição do benefício tenha duração de quatro meses.

Rapidinho

Algumas empresários do setor de combustíveis repassaram rapidinho o novo reajuste da gasolina anunciado pela Petrobras. Ontem já era possível encontrar gasolina comum em Criciúma por R$ 4,12.

Fluindo bem

Coordenadora do departamento de Educação Infantil da Afasc, Andreza Dagostin, ressaltou nesta quarta-feira, durante entrevista à Massa FM, que os primeiros dias de aula tem sido tranquilos nas unidades da instituição. “Temos tido, mesmo com o aumento no número de casos de Covid-19, uma situação tranquila, controlada. Todos os cuidados estão sendo tomados e por conta disso os pais seguem mandando seus filhos para os nossos CEIs. Temos até fila de espera”, avalia.

Privatizando

Governo do Estado e a SCPar encaminharam processo que vai repassar para a iniciativa privada a gestão do Aeroporto de Jaguaruna. Hoje tem uma empresa contratada para fazer a gestão, mas nesse novo processo, todo o comando fica com a iniciativa privada. Aposta é de que isso vai assegurar modernização ao terminal do Sul do Estado e ampliar a oferta de voos atraindo novas companhias para Jaguaruna.