Coluna Maria de Fátima Pavei – 26/09/2020

7

Conversa de boteco

É no Boteco que os amigos se encontram, contam tudo sobre suas vidas e inventam também. Assunto não falta! Zé é amigo de todos da minha rua e tem uma criatividade incrível, além de prever os fatos. Outro dia, entre uma cervejinha e uma conversa jogada fora afirmou: “_ Pessoal, amanhã a minha vizinha viaja para a Flórida em busca de um aprendizado novo, pois é médica. Pedi para a médica não ir! Motivo, tenho certeza que o avião vai cair!” Sabem o que aconteceu? A vizinha não viajou e o avião caiu! O Zé sabe tudo! A lábia do homem dá medo na gente. Outro dia disse para a dona do bar, que não demoraria nada e sua sogra cairia de repente e…. Não demorou nada, a pobre senhora escorregou na sala e deu de cabeça no canto do sofá. Não deu outra, partiu dessa para outra. Não estou nem contando a metade das previsões do adivinhão do Zé, mas o rapaz fala e acontece.  Sou curiosa e resolvi prosear com o Zé. Perguntei ao sábio: “_ Zé, se eu votar no prefeito do Rincão que já está lá dará continuidade, e será Prefeito novamente? Olha o que ele me disse: _Neste vote, pois vai ganhar as eleições. Fiz certinho. Votei e ganhou. Só que não me chamou para exercer o cargo de diretora, o que aconteceu, Zé? Ele me fala com a maior cara de pau: “_ Ué, você não me perguntou se você seria convocada para ser uma diretora! Se tivesse me perguntado, diria que você não seria escolhida. Você não gosta e só serve para escrever livros e crônicas. Fiquei arrasada, fui-me embora.

Outro dia passei na frente do bar de cabeça baixa, porque não queria mais ver o Zé nem vestido de ouro, e lá de dentro ele grita: “Olá, cronista! Entra no nosso boteco que tem um segredo!” Nunca gostei de adentrar em bar, mas mexeu com a minha pessoa e fui. Sentei-me naquela mesa do bar. E o bar da dona era cheiroso! Vinha de dentro da cozinha cheiro de frango de panela e polenta, e seria feito um jantar naquela noite e logo me enturmei. Não perderia o jantar de jeito nenhum. E sabe o que o adivinhão me disse? “Que mais tarde, no máximo uma semana eu seria a vencedora da Mega-Sena! O segredo”. Fui feliz embora e alucinada, então ficaria rica, segundo a previsão. Joguei e sabem o que aconteceu? Ganhei, mas o pior é que na hora de preencher eu estava pensando no Zé e escrevi o nome dele. Agora ele está rico e eu continuo pobre. Não é de rir?

Outro dia passei na frente do bar de cabeça baixa, porque não queria mais ver o Zé nem vestido de ouro, e lá de dentro ele grita: “Olá, cronista! Entra no nosso boteco que tem um segredo!” Nunca gostei de adentrar em bar, mas mexeu com a minha pessoa e fui. Sentei-me naquela mesa do bar. E o bar da dona era cheiroso! Vinha de dentro da cozinha cheiro de frango de panela e polenta, e seria feito um jantar naquela noite e logo me enturmei. Não perderia o jantar de jeito nenhum. E sabe o que o adivinhão me disse? “Que mais tarde, no máximo uma semana eu seria a vencedora da Mega-Sena! O segredo”. Fui feliz embora e alucinada, então ficaria rica, segundo a previsão. Joguei e sabem o que aconteceu? Ganhei, mas o pior é que na hora de preencher eu estava pensando no Zé e escrevi o nome dele. Agora ele está rico e eu continuo pobre. Não é de rir?