Autor dos disparos que causou a morte de PM é morto

35

Criminoso se envolveu em nova troca de tiros com policiais e acabou alvejado

Criciúma

Foi morto na tarde de ontem (1º) o criminoso responsável pela morte do policial João Batista Figueira Ribeiro, causada em ação de cumprimento de mandado na terça-feira (31). O comandante da 6ª Região de Polícia Militar (6ª RPM), coronel Cosme Manique Barreto, destacou que no momento da captura o homem ainda possuía a algema em uma das mãos. Foram cerca de 25 horas de busca e patrulha.

Ao receber a denúncia da presença de um suspeito circulando pela região entre Torneiro e Balneário Esplanada, a guarnição do PPT de Içara se dirigiu até o local para averiguação. A viatura manteve distância quando o sujeito foi localizado, mas em seguida, com a aproximação dos policiais, o criminoso passou a efetuar disparos contra os oficiais. Agindo em legítima defesa, a Polícia Militar reagiu. Em decorrência da troca de tiros, o homem foi alvejado, morrendo ainda no local.

Desde o fim da tarde de terça que a Polícia Militar, com o apoio da Polícia Rodoviária Federal, do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e do Serviço Aeropolicial (Saer), estava realizando buscas pela região para capturar o criminoso. Em operação de cumprimento de mandado de prisão, dois policiais militares foram baleados pelo sujeito, que era foragido da Justiça. Um dos policiais foi atingido apenas de raspão e permanece estável. Já João Batista Figueira Ribeiro, que foi encaminhado ao Hospital São José em estado grave, morreu na madrugada de ontem.

“Meus sentimentos. Não tenho palavras para descrever a tristeza imensa com a perda do nosso guerreiro. Neste momento de dor, nos resta a serenidade diante do que não pode ser mudado, a saudade de um companheiro querido, a admiração por um herói tombado em combate, o suporte à família que sofre e a busca pela justiça”, declarou o coronel Carlos Alberto de Araújo Gomes, comandante-geral da PM de Santa Catarina, quem confirmou a morte através das redes sociais.

Ribeiro atuava na Polícia Militar há 17 anos.