Patinação artística exige técnica, equilíbrio e dedicação

29

Modalidade é pouco difundida, mas 60 pessoas, entre crianças e adultos, treinam diariamente na região Sul

Pouco difundida na região Sul de Santa Catarina, a patinação artística é uma modalidade que reúne dança e esporte e exige técnica, equilíbrio e determinação. Há pouco mais de uma ano, pessoas de cinco anos a adultos estão participando das aulas ministradas em Içara, Criciúma, Forquilhinha e Orleans pelo professor Pietro Guidobono Nunes.

Natural do Rio Grande do Sul, há pouco mais de um ano Pietro veio se estabelecer em Forquilhinha. Notou que na região Sul a patinação artística não era comum e por isso decidiu dar aulas. Atualmente, já tem 60 alunos, e, destes, 21 estão participando de competições.

Por mais de dez anos Pietro foi atleta de patinação artística e, após encerrar a carreira, decidi ensinar mais pessoas a praticar o esporte. “Em todo o Estado, a patinação artística é algo muito forte. Em Florianópolis, existem diversas escolas para a modalidade e percebi que no Sul de Santa Catarina, não. Por isso resolvi montar a escola e ensinar novas pessoas. Comecei com uma aluna que a família já era minha conhecida e aos poucos mais pessoas apareceram. Hoje, meus alunos são pessoas de 5 a 46 anos”, conta.

O professor comenta que ainda não existem bons lugares para realizar os treinos, mas que aos poucos as pessoas vão conhecendo o esporte e o bloqueio que os patins estragam as quadras, por exemplo, são quebrados. “A maioria dos meus alunos não sabiam nada e ensinei do zero. Em agosto, participamos com oito atletas de um campeonato e todos trouxeram medalhas. Já em outubro vamos participar de um novo campeonato e vamos levar 21 alunos para competir. O evento será no Rio Grande do Sul e estamos treinando muito para adquirir bons resultados”, acrescenta.

No dia 30 de novembro acontecerá um evento no ginásio da Fundação Municipal de Esportes (FME) de Criciúma e que terá diversos atletas internacionais. “Será um grande evento e teremos a oportunidade de divulgar ainda mais o esporte na região”, pontua.

A filha de Renata Anastácio participa da escola de patinação artística há sete meses e, desde então, a família vem percebendo as mudanças na pequena. “A Ana Carolina tem oito anos e sempre gostou de patinação artística por causa de uma série que ela assistia. Nós fizemos uma aula experimental e ela gostou bastante. Desde então, não saiu mais”, lembra.

Ana Carolina treina três vezes por semana e foi uma das atletas que competiram em agosto. Renata conta que foi um momento mágico. “Tinham 26 pessoas competindo na categoria dela e ela trouxe medalha, ficou em 5º. Foi muito bonito e mês que vem ela volta a competir. Notamos muitas mudanças nela desde que ela iniciou na patinação artística como física, comportamental e até mesmo na dedicação”, relata.

Renata comenta que os municípios precisam apoiar mais o esporte. “Esse esporte precisa mais de incentivos por parte dos municípios da região Sul. Um exemplo bem simples são os ginásios que as prefeituras poderiam emprestar para os alunos treinarem, são coisas simples. É necessário repensar nessas situações, pois temos grandes talentos aqui na região”, declara.

“Gosto bastante de participar da patinação artística. Quando entro em quadra não consigo pensar em mais nada. Sempre conto para minhas amigas e professoras na escola sobre essa modalidade. Vou para meu segundo campeonato no mês que vem e estou me dedicando muito para competir”, conta Ana Carolina.