Coluna Economia em foco – 31/07/2019

48

Expectativas

Após vinte semanas consecutivas de contração nas projeções do PIB para 2019, divulgado pelo Banco Central, os economistas elevaram suas expectativas de crescimento em 0,01 ponto percentual para a economia brasileira, espera-se que, no final do ano, o crescimento seja de 0,82 por cento.  Já os índices de confiança empresarial e do consumidor com ajuste sazonal, observados no gráfico 1, mostram um comportamento bastante semelhante. Esses indicadores vêm apresentando uma recuperação desde 2016, ano em que apresentou os menores valores da série histórica. Porém, os valores disponíveis, para o primeiro semestre de 2019, mostram uma deterioração desses índices, apesar da confiança de empresários e consumidores terem aumentado em junho quando comparado com o quinto mês do ano corrente. Por outro lado, a aprovação da reforma da previdência, que deve ocorrer em agosto, o encaminhamento da reforma tributária para as casas legislativas e o afrouxamento da política monetária, esperada para o segundo semestre de 2019, devem reverter a tendência de baixa apresentada pelos indicadores de confiança do empresário e do consumidor a partir de 2019.

Gráfico 1:   Índices de Confiança Empresarial e do Consumidor (2019)

Fonte: Fundação Getúlio Vargas

Indústria

Os últimos indicadores da produção industrial brasileira, divulgados pelo IBGE, mostram uma retração do setor industrial no mês de maio comparados com abril. Infelizmente a indústria, de forma generalizada, apresentou uma queda de 0,2% em relação ao mês anterior na série com ajuste sazonal. Em Santa Catarina, no mês de maio, essa queda foi de 1,3% em relação ao mês imediatamente anterior. Quando a comparação é realizada utilizando o mesmo período do ano anterior, os indicadores mostram uma melhora significante, tanto para o país quanto para o estado. No Brasil, a produção industrial em maio aumentou 7,1% quando comparado com maio de 2018 e, em Santa Catarina, o aumento foi bem mais expressivo, de 19,3%.

Comércio

A confiança do comércio, conforme mostra o gráfico 2, subiu no mês de julho e atingiu 95,5 pontos, a segunda alta consecutiva, mas sem reverter a tendência de queda apresentada pela média móvel trimestral que recua pelo quinto mês seguido. Parece que os empresários do setor do comércio perceberam alguma evolução das vendas no mês, apesar da confiança estar aquém do desejado. A expectativa dos empresários do setor de comércio para os próximos meses deve subir, mesmo que em um ritmo mais lento dado a taxa de desemprego elevada e a dificuldade da retomada do crescimento econômico.

Gráfico 2:   Índices de Confiança do Comércio

Fonte: Fundação Getúlio Vargas

Em comparação a junho o indicador aumentou em 2,47% e em relação a julho de 2018 a confiança do empresário do comércio aumentou em 5,18%.

Emprego

Os dados da geração de emprego formal em junho, na economia brasileira e catarinense, mostram que o mercado de trabalho parece querer reverter uma tendência de queda observada nos últimos anos. O Brasil gerou pouco mais de 48,4 mil vagas de emprego e o estado de Santa Catarina 940 vagas. Nas duas principais cidades da região carbonífera, Criciúma e Içara, a geração de empregos foi positiva em 124 novas vagas. Os setores de Serviços e a Indústria foram responsáveis pela criação de 195 vagas. O saldo de emprego só não foi melhor pois somente o setor de Comércio desligou 72 colaboradores. O saldo para o primeiro semestre do ano, para essas duas cidades, foi de 2.055 novas vagas. A indústria, com a criação de 1.126 vagas, foi  o setor que  mais gerou emprego formal.

Agenda

Nessa terça-feira, nos Estados Unidos, será divulgado o Índice de Confiança do Consumidor que mostra a possível trajetória dos gastos das famílias norte americanas. No mesmo dia, também será divulgado o índice dos Gerentes de Compra na China, a expectativa do mercado é de aumento em 0,2 pontos. Esse mesmo índice será divulgado na quinta-feira nos Estados Unidos. Na quarta-feira a taxa de desemprego será divulgada no Brasil, atualmente esse indicador é de 12,3%. No mesmo dia o FOMC (Federal Open Market Committee), uma das principais comissões que compõem o FED (Federal Reserve System), divulgará a taxa de juros, a expectativa é que o FED possa reduzir a taxa em 0,25%. Na quinta-feira, no Brasil, será divulgado pelo IBGE a Produção Industrial para o mês de junho. O IPC-Fipe no Brasil, o relatório de emprego e a taxa de desemprego nos Estados Unidos serão divulgados na sexta-feira.