Cooperaliança lança campanha contra “gato” de energia

12

A intenção é orientar sobre os danos e riscos da prática ilegal

O popular “gato” de energia elétrica é uma prática que traz prejuízos de relevância para toda sociedade e, por isso, a Cooperaliança lançou nessa semana uma campanha para repreender a ação. A concessionária que abrange os municípios de Içara, Balneário Rincão, Jaguaruna e parte de Araranguá atende quase 40 mil consumidores e está intensificando os trabalhos e vistorias diante da prática ilegal de furto e fraude na rede.

O sistema de energia elétrica merece atenção e quando se trata das ligações clandestinas o cuidado precisa ser dobrado. “Por conta da ilegalidade, muitas vezes os desvios de energia burlam o sistema de proteção da medição e geram grandes perigos. Vale lembrar, que se tratando de eletricidade, na maioria das situações os acidentes são fatais”, ressaltou o técnico da Aliança, Mateus Búrigo Dalmolim.

Da mesma forma, os custos com os “gatos” refletem também para aqueles que utilizam o serviço de forma correta, com o encarecimento da tarifa.

Segundo o presidente da cooperativa, Reginaldo de Jesus, a campanha visa amenizar os furtos e fraudes que acontecem nos diversos setores da sociedade. “A prática é registrada em todas as classes consumidoras, sendo residenciais e industriais. Nosso objetivo é diminuir os impactos de uma cultura já instalada e que queremos combater”. Ainda segundo ele, um informativo sobre o assunto chegará junto com a fatura em toda área de concessão da Cooperaliança.

Prática criminosa

O que muitos não sabem é que desvio de energia é crime e pode acabar em prisão. “Caso confirmada a irregularidade consumidor pode responder criminalmente, conforme previsão legal capitulado no artigo 155 do Código Penal. Além da sanção criminal, está o pagamento de multa e dos valores utilizados durante realização do crime”, alertou o jurídico da concessionária, Ivanir Pacheco.

Denúncia

A Cooperaliança possui o canal de atendimento com o consumidor via telefone 0800-484040, onde em caso de suspeitas a denúncia deve ser realizada de forma anônima.